terça-feira, 27 de março de 2007

Copa...

E a copa vai ser aqui no Brasil mesmo. Depois de quase mais de seis décadas voltaremos a sediar a maior competição “monoesportiva” do mundo. Milhões e milhões de reais que irão coroar a incompetência, a falta de planejamento e a roubalheira que permeia o nosso país.

Durante algum tempo eu relutei em acreditar que chegaríamos realmente a ser favoritos na corrida pelo “cargo” de sede da Copa do Mundo. Mas cá estamos nós, lançando a candidatura mundial em um jogo safado contra Gana. “Brasil 2014”, esse é o slogan que será utilizado pela CBF nos próximos anos. Os números estarão nas cores azul, amarelo, verde e vermelho, afinal, vermelho tem tudo a ver com a nossa pátria.

Fora isso, já começaram a planejar obras faraônicas, não passa pela cabeça dos dirigentes fazerem uma copa boa e barata. Eles realmente acham que vão bater as copas da Alemanha e Japão/Coréia, que deram um show de organização, estrutura, segurança e competitividade.

Todos nós sabemos que aqui não chegaremos nem aos pés desses lugares. Simplesmente porque não somos organizados, não temos segurança, estrutura alguma (graças a incapacidade de nosso dirigente máximo, Ricardo Teixera), mas competitivos nós somos. As vezes passamos dos limites a paulista é completamente depredada, mas que torcida mundial nunca fez isso.

È melhor rezar, porque desta vez a coisa vai ficar feia.

domingo, 25 de março de 2007

Pelé nos dias de hoje...

23/10/1989 – Nasce em Três Corações, Minas Gerais, Edson Arantes do Nascimento. Passa a infância assistindo aos jogos amadores das cidades vizinhas.

2004 – Com quatorze anos, Pelé começa nas categorias de base do Santos. Lá ele se destaca e Wagner Ribeiro já fecha um acordo e vira empresário de Pelé.

01/2006 – Com 16 anos ele participa da Copa São Paulo de Futebol Júnior pelo Santos, que é eliminado na primeira fase. Pelé faz dois gols e chama a atenção de Vanderlei Luxemburgo, que o alça para o time principal.

02/2006 – Na terceira rodada da primeira fase do Campeonato Paulista, Pelé entra no segundo tempo da partida, na Vila Belmiro, contra o América-SP. O Santos estava ganhando por 4 a 1 e Pelé marca um golaço. Pedala contra o zagueiro Marconi e toca na saída de Buzetto. Galvão Bueno, narrando o jogo, diz, muito empolgado “Olha aí, olha o que o menino fez. Segura a fera!”.

02/2006 – Antes do clássico contra o São Paulo, na quinta rodada, Marcelo Teixeira reúne a imprensa para comunicar que o Porto-POR adquiriu o passe de Pelé por US$ 6 milhões e que a partida contra o São Paulo é a última com a camisa do Santos.

02/2006 – Pelé desembarca em Portugal e tem a ingrata notícia: Wagner Ribeiro, considerando ser mais lucrativo, avisa que Pelé jogará cinco meses no Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, antes de ir para o Porto-POR. Pelé chega ao novo clube e, após quatro jogos e um gol marcado, pede para sair, pois não se adaptou ao clima do país.

03/2006 – Wagner Ribeiro consegue uma transferência de Pelé para o Cruzeiro, por empréstimo. Com o início do Campeonato Brasileiro, Pelé se destaca e marca dois gols na vitória sobre o Juventude. O Porto-POR pede que o empréstimo seja interrompido para poder contar com o jogador. O Cruzeiro, que ainda tem mais 2 meses e meio de contrato vigente, entra com uma ação na FIFA para garantir a permanência de Pelé.

04/2006 – A FIFA dá ganho de causa para o Cruzeiro, mas Pelé acha que não tem mais clima na Toca da Raposa e pede para ser liberado. Ele jogou 11 vezes com a camisa do Cruzeiro e marcou três gols.

05/2006 – Pelé chega ao Porto-POR e fica no banco de Quaresma. Ele se desentende com o técnico, que o afasta e o coloca treinando separado. O contrato com o Porto-POR termina em dezembro de 2009.

09/2006 – Temendo uma desvalorização do futuro craque, Wagner Ribeiro consegue convencer os cartolas portugueses a repassá-lo a outro clube. O Porto-POR anuncia o empréstimo de Pelé por três anos ao Lille-FRA.

02/2007 – Em fevereiro de 2007, Pelé, que até então tinha marcado 7 gols com a camisa do time Francês, em 19 jogos, se machuca. Ele passa por uma cirurgia no joelho esquerdo e fica sete meses fora dos gramados.

07/2007 – Para a surpresa dos médicos, Pelé se recupera rapidamente e já começa a treinar com bola. Quando está pronto para jogar, o técnico francês decide que não quer mais o atacante, pois quando Pelé havia se machucado, o Lille-FRA havia contratado dois atacantes para substituir o futuro craque.

08/2007 – Já recuperado da cirurgia, Pelé consegue um empréstimo junto ao Santos. No Santos, ainda com Luxemburgo, ele termina o Campeonato Brasileiro com 11 gols, mesmo jogando apenas três meses e meio. O Santos termina na terceira posição e se classifica para a Libertadores 2009.

01/2008 – Luxemburgo avisa que está de saída do Santos. Uma proposta tentadora do Bolton-ING tira o técnico da Vila Belmiro. Pelé, que é grato ao professor, pede a saída do time também após a ida de Luxemburgo para a Inglaterra.

02/2008 – Pelé então se reapresenta ao Lille-FRA, que prontamente o devolve ao Porto-POR e espera uma definição por parte de Wagner Ribeiro sobre seu futuro, já que o Porto-POR não pretende renovar contrato. Ribeiro consegue contrato com o La Coruña-ESP.

2008/2010 – Nas duas temporadas, Pelé marca 41 gols e comanda o La Coruña na conquista do terceiro lugar do Espanhol, que garante passaporte para a Champions League.

08/2010 – Cobiçado pelo Liverpool-ING, Pelé não renova com o La Coruña-ESP e se transfere para o clube inglês. Para surpresa da imprensa européia, o clube anuncia outro brasileiro: Vanderlei Luxemburgo, que fez duas temporadas razoáveis no Bolton-ING.

01/2011 – Vanderlei Luxemburgo não consegue bons resultados no novo clube e é demitido depois de ser eliminado diante do Cristal Palace-ING, na terceira rodada da Copa da Inglaterra.

01/2011 – Pelé fica revoltado com a decisão da diretoria e abandona o time. A FIFA entende o pedido de Wagner Ribeiro e rompe unilateralmente o contrato de Pelé com o Liverpool-ING.

02/2012 – Luxemburgo é apresentado como novo técnico do São Paulo, que também anuncia Pelé. O craque recebe todo o apoio de Rogério Ceni, que está preste a completar 1000 jogos com a camisa Tricolor.

2012 – No São Paulo, Pelé marcou 22 gols em 49 partidas disputadas.

01/2013 – Quando tudo indicava que Pelé renovaria contrato com o São Paulo, o Nagoya Grampus anuncia a contratação do jogador. Pelé chega à Terra do Sol Nascente para defender o 9º clube na carreira, com apenas 23 anos.

2013-2016 – Pelé se destaca no clube de Nagoya. Durante as três temporadas, Pelé marcou 75 gols em 147 jogos. A ausência na Copa do Mundo no Brasil, em 2014, foi encarada com naturalidade por Pelé. “Já faz parte do passado”, afirma.

2017 – Experiente, com 28 anos Pelé anuncia que vai jogar novamente em Portugal, desta vez no Sporting-POR.

2017-2021 – Pelé, mais maduro, encerra seu ciclo na Europa com um bom saldo no clube português: foram 4 temporadas, 203 jogos e 66 gols.

2022 – Com 33 anos, Pelé afirma que vai jogar mais duas temporadas no Santos antes de encerrar a carreira. No término do Campeonato Paulista, Pelé recebe uma boa proposta do Olympiakos-GRE.

2022-2023 – Pelé tem atuação apagada na Grécia. Se machucou muito e marcou apenas 9 gols na temporada e meia que permaneceu na Grécia.

2024 – O Bangu, que passa por transformação, anuncia Pelé para a disputa do Campeonato Carioca. Além do experiente Pelé, o clube carioca anuncia outro veterano: Romário, que busca o milésimo gol – faltam apenas três.

2024 – O Bangu cai na semifinal da Taça Guanabara diante do Vasco e Romário, enfim, marca o milésimo gol, contra o Volta Redonda.

2024 – Pelé encerra a carreira aos 35 anos e vira comentarista esportivo. Pelé jogou 753 partidas na carreira e marcou 274 gols. Se aposentou como o maior artilheiro da história do Nagoya Grampus. Conquistou um Campeonato Mineiro, uma Copa de Portugal e duas Copas do Imperador.

Fonte: Blog do Torero

segunda-feira, 19 de março de 2007

A Era do Gelo?

Foi apenas a primeira corrida do ano, mas já deu pra ter uma boa idéia do que esperar para o resto de 2007. A corrida teve suas emoções e tudo mais, mas algumas coisas do que esse repórter disse no último “post” aconteceram e não foi por pura sorte ou coincidência. Muitos ainda precisam entender que esporte não é apenas um acaso do destino e que, cada vez mais, pode ser analisado como outra coisa qualquer.

Raikkonem mostrou sua frieza que não surpreende mais a ninguém. E foi, assim como sempre, constante e muito correto durante toda a corrida. Dos pilotos que chegam para tentar ocupar o lugar de Schumacher, ele é um dos que mais se aproximam da constância que o alemão tinha.

Suas voltas foram precisas, sem grandes oscilações durante a maior parte e rápidas antes das paradas. Essas, que foram realizadas com maestria pela Ferrari.Foi a coroação da corrida perfeita, dessa que cada vez mais pode se considerar a melhor equipe da Formula 1 e do piloto que demonstra saber ser campeão.

Apesar dos problemas Massa mostrou que pode ir bem longe nessa luta pelo título. Nos dias de hoje, largar em último e ainda assim acabar na zona de pontuação é um feito inacreditável. O brasileiro foi esperto em não se comprometer e nem culpar a equipe em suas declarações. Em suas entrevistas estava seguro, parecia muito maduro e pronto para voltar a disputa do título na próxima corrida.

A Mclaren mostrou que pode ir longe este ano e que Lewis Hamilton não está ai para birncar. Alonso vai ter que mostra serviço se quiser ter a preferência nesta temporada. Os segundo e terceiro lugar na corrida mostraram que eles podem aproveitar essa briga interna e se dar bem.

sexta-feira, 16 de março de 2007

O circo está de volta

Começa neste final de semana a temporada de Formula 1. Pela primeira vez em 13 anos ela volta sem um de seus maiores ídolos. Michael Schumacher deixou seu nome na história, mas também a vaga de herói em aberto. Não existe alguém que seja infalível nesse momento, Alonso, Massa e Raikkonen devem ser as principais apostas deste ano.

Alonso, já conquistou o bicampeonato com a Renault e desta vez vai correr com a McLaren. O piloto tem crédito, pois desbancou o Alemão e colocou a Esoanha no mapa da categoria. O esporte que antes atraia poucos locais ao autódromo, hoje é definitivamente o maior ídolo que de seu país.

A seleção de futebol espanhola que muito prometeu durantes esses anos assados, não empolga mais ninguém. A crise dos clubes do campeonato de futebol mais rico do planeta não tem nenhuma glória para se gabar e está sem grandes perspectivas para os próximos campeonatos.

Com isso, a “Alonso mania”, assim apelidada pela rede Globo, deixa os espanhóis muito esperançosos. O que preocupa muito é o equipamento, depois de entrar para a história com a volta das flechas de prata da Mercedes, pilotadas por Kimi Hakkinen e David Coulthard, a equipe inglesa tem colecionado fracassos inacreditáveis. Ano passado tinha o motor mais potente de todos, poderia ser o motor perfeito, se não tivesse quebrado em mais da metade das provas de 2006.

Mais uma vez a escuderia diz estar pronta para voltar ao topo. Nos primeiros treinos para essa temporada, na Austrália, o espanhol foi apenas o sétimo colocado e Lewis Hamilton, seu companheiro o sexto. Esses treinos não mostram absolutamente nada de projeção para o resto do ano, mas não podem ser excluídos completamente.

No lado vermelho, as coisas parecem estar as mil maravilhas. Felipe Massa não parece estar maravilhado, nem tão poço apavorado com a pressão. Além de substituir o maior campeão de todos os tempos, todo brasileiro olha para ele com a esperança de ver um novo Ayrton Senna.

Mais do que voltar a ser vencedores, os brasileiros tinham nesse piloto um exemplo de garra, vontade, superação e tudo mais. Diante de toda arrogância e prepotência que a rede globo fazia questão de mostrar sobre Nélson Piquet, Senna era o esportista perfeito um atleta exemplar. Para mim, Senna foi até hoje o maior piloto do país, que só não ganhou mais vezes, pois morreu precocemente.

Senna foi e ainda é um herói nacional. Talvez o último que nós tivemos. Hoje, o brasileiro precisa mais uma vez de algo que de força para ele durante todas as manhãs. Um dos domingos que eu nunca vou esquecer será o de 22 de outubro do ano passado. Voltar a ter um compatriota em primeiro no autódromo de Interlagos foi maravilhoso, esperávamos isso de Rubens Barrichelo, que não irei criticar ou apoiar neste momento, mas Massa que voltou a estampar o sorriso em nossos rostos.

Massa vai carregar consigo sonhos e esperanças de milhões de brasileiros, que querem voltar a ter orgulho de seu país. Ser um grande esportista é fácil, difícil é ser esportista, ídolo, herói, inspiração e na sombra de dois gênios chamados Schumacher e Senna. Dominar completamente os treinos da pré-temporada já é um começo.

Literalmente correndo por fora está o finlandês Kimi Raikkonen. A semelhança vai com o bicampeão Kimi Hakkinen não vai além da nacionalidade e do nome. O “homem de gelo” não recebeu esse nome por simples coincidência. O semblante sempre extremamente fechado e muito sério, com um leve traço de alegria quando conquista bons resultados é um detalhe. O que surpreende é a frieza desse piloto atrás do volante. As manobras arriscadas e que não admitem erros foram cruciais para o sucesso e para o apelido de Kimi.

Depois de não repetir os resultados do “Kimi mais velho”, Raikkonen resolveu mudar para a Ferrari. Mesmo sem os italianos admitirem que exista uma preferência por Massa, o finlandês sabe que começou atrás do companheiro de equipe. O brasileiro já está acostumado com o clima dentro da Ferrari e os mecânicos já admitiram que gostam de trabalhar com o brasileiro.

Se, em 2007, Massa sempre foi líder, Kimi não saiu de sua cola e já se prepara para tentar dar o bote final no primeiro grande prêmio deste ano, que acontece na madrugada de sábado para domingo, em Melbourne, Austrália.

Na história – Lewis Hamilton vai entrar para história, ao se tornar o primeiro piloto negro da Formula 1. O inglês de apenas 23 anos é uma aposta da equipe Mclaren para os próximos anos.

quarta-feira, 7 de março de 2007

Deixa

De todos os amores que senti,
foi com você que eu aprendi a deixar.
Deixar que a pessoa siga o próprio olhar.
Enquanto tento viver a vida sem ti.

Aprendi que amar é saber aconchegar,
abraçar, beijar, acolher e se doar.
E, que faz parte deixar a pessoa partir
e ainda assim sorrir.

Não, não é o amor que acaba.
Esse ai, nunca nos deixa.
Ele é um sentimento para todos,
que se revela para poucos.

Sei que um dia vou me arrepender.
Sei que um dia, te deixar vai doer.
Vai ser ainda pior o fato de não poder te ter
e, assim mesmo, não padecer.

Se por acaso eu chorar,
não pense em voltar.
Me deixa, porque preciso deixar,
deixar de te amar.

Pra cima deles Madureira...
Fonte: lancenet.com.br

Aonde começa o problema?

Talvez, esta seja a pergunta que devemos fazer toda vez que assistimos, lemos e ouvimos os jornais brasileiros. Pelo menos, foi a pergunta que eu me fiz quando pela segunda vez em quatro dias uma garota perde a sua vida de maneira tão trágica e precoce.

Pode até se dizer que a menina Priscila não morreu, mas correr o risco de perder a adolescência em uma cadeira de rodas e talvez, nunca mais poder andar, é matar uma pessoa aos poucos. Pode até se pensar que um dia ela voltará a andar, é o que eu espero que um dia aconteça, e ela poderá ser mais feliz do que já é. Feliz pelo simples fato de ter uma segunda chance.

Chance que não será dada a Alana, que perdeu a vida no início de sua jornada com apenas 12 anos. Para ela, o tempo não voltará atrás, não impedirá os momentos não vividos, os amores não amados, os beijos não dados, as alegrias não comemoradas, o carro que ela nunca vai comprar, a faculdade que nunca vai entrar, a vida mais digna que nunca dará para sua mãe. Mãe que ontem encarou a maior injustiça que esse mundo pode nos impor enterrar a sua filha deveria ser algo proibido. Deveria ser uma lei divina, algo que o tempo impediria de qualquer maneira.

O que devemos entender ao analisar o caso é: a que ponto nós chegamos? Que mundo é esse, aonde os ladrões tem rifles e a polícia revolveres? Aonde as pessoas morrem com balas perdidas, que acham o caminho de sua próxima vítima inocente? Não me venham com uma justiça de palavras, cobrando uma polícia mais justa. Não reclamem de seus governantes, eleitos por nós mesmos, sentado em sua poltrona de couro ou em seu sofá de panos rasgado e velho. Vocês todos, são responsáveis pela liberdade que demos para os impunes. Se quiser reclamar, faça isso de pé, encarando os homens na cara. Não tenho a pretensão de iniciar uma nova revolução. Só não quer que as pessoas continuem me enchendo o saco com choros e velas sem sentido e sem ação conclusiva.

“Nunca devemos perder a capacidade de nos indignarmos” – Vladimir Herzog.

sábado, 3 de março de 2007

Mico

Quem serão os heróis do clássico de amanhã entre Palmeiras e Corinthians? Mais uma vez, o maior clássico do estado de São Paulo não terá o brilho do passado. Gênios que desfilaram em gramados paulistas, mostrando como se joga bola de verdade. Ademir, Sócrates, Alex, Evair, Casagrande, Careca, Rivaldo, Marcelinho Carioca, vários outros que demonstraram merecer vestir a camisa desses times.

Amanhã, os times entraram em campo pensando em não perder ao invés de vencer a partida. Eles farão um jogo feio, sem graça. Vai ter briga, vão culpar o juiz, o bandeirinha e a mãe de cada um deles. Um poderá até se sagrar vencedor, mas o futebol perderá um pouco mais de seu brilho.

Os São-Paulinos coitados, vão passar o dia tirando sarro da cara dos perdedores, de um clássico que eles nunca terão. Eles sempre vão querer tirar um do outro, mas o Palmeiras e o Corinthians não são nada sem o outro. O dia que um deles abandonar o outro, o futebol em São Paulo
também acaba.


Charge: lancenet.com.br